sexta-feira, 13 de novembro de 2009

http://www.youtube.com/watch?v=UtrXtDEaGgw
http://www.youtube.com/watch?v=slH_2gtvXKU
http://www.youtube.com/watch?v=4XfvPB6bIsg
http://www.youtube.com/watch?v=IMqD-QoiXTo
http://www.youtube.com/watch?v=9fNJdEwQno0
http://www.youtube.com/watch?v=llnuvq9yJ8s
http://www.youtube.com/watch?v=H3oRKfiEr8k
http://www.youtube.com/watch?v=8i4tjyGPX6I
http://www.youtube.com/watch?v=6TQq9h-r9zs
http://www.youtube.com/watch?v=KPqbC4EzCZM (muito bom)
O óleo sujo alem de poder ser matéria prima para produção de sabão também pode produzir biodiesel:

A transesterificação é o processo mais utilizado atualmente para a produção de Biodiesel. O processo inicia-se juntando o óleo vegetal com um álcool (metanol, etanol, propanol, butanol) e catalisadores (que podem ser ácidos, básicos ou enzimáticos). Para o exemplo mais comumente empregado, utilizando-se do metanol, tem-se:







Oleo vegetal -Metanol- Glicerol- Biodiesel



Além do biodiesel há a produção de glicerol, que passa por um processo de separação do biodiesel e pode ser vendido para a industria de cosméticos, na qual utiliza-o como agente umectante para sabonetes, hidratantes, dentre outros.


Definitivamente a atitude irracional de jogar o óleo sujo fora, nunca mais fará parte do cotidiano da população; ou será que mesmo sabendo das utilidades do mesmo e os prejuízos acarretados ainda não foram suficientes para a conscientização?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Como reciclar o óleo de cozinha

Não jogue na pia o óleo usado, faça sabão, ajude a natureza e economize dinheiro.

Receita de sabão caseiro:

1) Sabão a partir de óleo de fritura usado (com sebo)

Ingredientes:

- 4 litros de óleo de fritura usado (filtrado);

- 2 litros de sebo de vaca (consegue-se no açougue);

- 1 kg de soda cáustica em escamas;

- 4 litros de álcool combustível

- 2 litros de água.

Preparo:


- Aquecer o sebo juntamente com o óleo até que o sebo derreta (não deixar muito quente); em uma bacia plástica grande, despejar a mistura óleo mais sebo e adicionar o álcool.


- Em um balde de plástico, colocar a água e despejar a soda e mexer com um pedaço de pau ou plástico até a total dissolução.


- Despejar a soda diluída na outra bacia aos poucos, mexendo sem parar até que se obtenha um ponto tipo geléia.


- Despejar em bacias plásticas retangulares e deixar esfriar.


- Quando estiver quase duro, cortar com uma faca e retirar os pedaços de sabão. deixá-los em uma caixa de papelão revestida com saco plástico por 15 dias antes de utilizá-los.
Obs: Muito cuidado ao manipular soda caustica,sempre utilize luvas, mascara e um avental.

Quimíca/Reciclagem

Você sabe qual a utilidade das partes rejeitadas das peças de carne?
Pois e, o que aparenta ser rejeitos e de extrema valia na indústria química. O aproveitamento industrial de ossos e sebo poupa o meio ambiente de receber milhões de toneladas de resíduos orgânicos.
Os ossos são amplamente utilizados para fabricação de rações de animais pelo fato de ser rico em cálcio e proteína. As farinhas de ossos também podem ser utilizadas para fazer correção de ph de solos.
A utilização de sebo e um pouco mais complexa, pois são triglicerídeos (formados por uma molécula de glicerol unida a três de ácidos graxos) que devem passar por uma separação das unidades formadoras- reação conhecida como hidrolise-. O glicerol e muito utilizado pela indústria farmacêutica, de cosméticos, alimentícia, dentre outras. Os ácidos graxos são utilizados na fabricação de sabão, sabonetes, lubrificantes, aditivos alimentícios...



Triglicerídeo
  • E ai você ainda continuara jogando no lixo os "restos" de carne?

Farinha de osso

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Fotos Lixão

Catador de Lixo (Apenas uma Criança)

Lixão de Maringá


Lixão das grandes cidades

Lixão de Brasília




Tipos de reciclagem e como reciclar







Veja exemplo de materiais recicláveis:



-Papel: jornais, revistas, formulários contínuos, folhas de escritório, caixas, papelão, etc.


-Vidros: garrafas, copos, recipientes.


-Metal: latas de aço e de alumínio’, clipes, grampos de papel e de cabelo, papel alumínio.


-Plástico: garrafas de refrigerantes e água, copos, canos, embalagens de material de limpeza e de alimentos, sacos.



Escolha um local adequado para guardar os recipientes com os recicláveis até a hora da coleta. Antes de guardá-los, limpe-os para retirar os resíduos e deixe-os secar naturalmente. Para facilitar o armazenamento, você pode diminuir o volume das embalagens de plástico e alumínios amassando-as. As caixas devem ser guardadas desmontadas.




Atenção:



Os objetos reciclados não serão transformados nos mesmos produtos. Por exemplo, garrafas recicláveis não serão transformadas em outras garrafas, mas em outros materiais, como solados de sapato.



A quantidade de lixo produzida diariamente por um ser humano é de aproximadamente 5 Kg.



* Se somarmos toda a produção mundial, os números são assustadores.


* Só o Brasil produz 240 000 toneladas de lixo por dia.


* O aumento excessivo da quantidade de lixo se deve ao aumento do poder aquisitivo e pelo perfil de consumo de uma população. Além disso, quanto mais produtos industrializados, mais lixo é produzido, como embalagens, garrafas, etc.



Tipos de lixo:



- Doméstico (alimentos);


- Industrial (carvão mineral, lixo químico, fumaças);


- Agrícola (esterco, fertilizantes);


- Hospitalar;


- Materiais Radioativos (indústria medicina...);


- Tecnológico (TV, rádios).















Em torno de 88% do lixo doméstico vai para o aterro sanitário. A fermentação produz dois produtos: o chorume e o gás metano. Menos de 3% do lixo vai para as usinas de compostagem (adubo). O lixo hospitalar, por exemplo, deve ir para os incineradores. Apenas 2% do lixo de todo o Brasil é reciclado!


Por que isso ocorre?


Porque reciclar é 15 vezes mais caro do que jogar o lixo em aterros.


Nos países desenvolvidos como a França e Alemanha, a iniciativa privada é encarregada do lixo. Fabricantes de embalagens são considerados responsáveis pelo destino do lixo e o consumidor também tem que fazer sua parte. Por exemplo, quando uma pessoa vai comprar uma pilha nova, é preciso entregar a usada.


Onde Reciclar?


No Brasil existem unidades industriais com capacidade instalada para reciclar resíduos, e qualquer outro material que possa ser reciclado. Distribuídas de norte a sul do país, estas unidades são empresas transformadoras de matérias-primas, fabricantes de embalagens, retomadores e recicladores.


Como fazer Papel Reciclado?



O QUE VOCÊ PRECISA:


• papel e água

• bacias: rasa e funda

• balde

• moldura de madeira com tela de nylon ou peneira reta

• moldura de madeira vazada (sem tela)

• liquidificador. jornal ou feltro

• pano (ex.: morim)

• esponjas ou trapos

• varal e pregadores

• prensa ou duas tábuas de madeira

• peneira côncava (com "barriga")

• mesa


ROTEIRO:


A - Preparando a polpa:Pique o papel e deixe de molho durante um dia ou uma noite na bacia rasa, para amolecer. Coloque água e papel no liquidificador, na proporção de três partes de água para uma de papel. Bata por dez segundos e desligue. Espere um minuto e bata novamente por mais dez segundos. A polpa está pronta.


B - Fazendo o papel:


1. Despeje a polpa numa bacia grande, maior que a moldura.


2. Coloque a moldura vazada sobre a moldura com tela. Mergulhe a moldura verticalmente e deite-a no fundo da bacia.


3. Suspenda-as ainda na posição horizontal, bem devagar, de modo que a polpa fique depositada na tela. Espere o excesso de água escorrer para dentro da bacia e retire cuidadosamente a moldura vazada.


4. Vire a moldura com a polpa para baixo, sobre um jornal ou pano.


5. Tire o excesso de água com uma esponja.


6. Levante a moldura, deixando a folha de papel artesanal ainda úmida sobre o jornal ou morim.


C - Prensando as folhas


Para que suas folhas de papel artesanal sequem mais rápido e o entrelaçamento das fibras seja mais firme, faça pilhas com o jornal da seguinte forma:


• Empilhe três folhas do jornal com papel artesanal. Intercale com seis folhas de jornal ou um pedaço de feltro e coloque mais três folhas do jornal com papel. Continue até formar uma pilha de 12 folhas de papel artesanal.


• Coloque a pilha de folhas na prensa por 15 minutos. Se não tiver prensa, ponha a pilha de folhas no chão e pressione com um pedaço de madeira.


• Pendure as folhas de jornal com o papel artesanal no varal até que sequem completamente. Retire cada folha de papel do jornal ou morim e faça uma pilha com elas. Coloque esta pilha na prensa por 8 horas ou dentro de um livro pesado por uma semana.


Efeitos decorativos


Misture à polpa: linha, gaze, fio de lã, casca de cebola ou casca de alho, chá em saquinho, pétalas de flores e outras fibras.Bata no liquidificador junto com o papel picado: papel de presente, casca de cebola ou de alho.


Coloque sobre a folha ainda molhada: barbante, pedaços de cartolina, pano de tricô ou crochê. Neste caso, a secagem será natural - não é necessário pressionar com o pedaço de madeira.Para ter papel colorido: bata papel crepom com água no liquidificador e junte essa mistura à polpa. Outra opção é adicionar guache ou anilina diretamente à polpa.


Dicas importantes


A tela de nylon deve ficar bem esticada, presa à moldura por tachinhas ou grampos.


Reutilize a água que ficar na bacia para bater mais papel no liquidificador.


Conserve a polpa que sobrar: peneire e esprema com um pano.


Guarde, ainda molhada (em pote plástico no congelador) ou seca (em saco de algodão).


A polpa deve ser ainda conservada em temperatura ambiente.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Como reciclar

Com a colaboração do consumidor, podemos facilitar ainda mais o processo de reciclagem. A reciclagem do material é muito importante, não apenas para diminuir o acúmulo de dejetos, como também para poupar a natureza da extração inesgotável de recursos. Veja como fazer a coleta seletiva e dar a sua parcela de contribuição na preservação do meio ambiente.

Passo a passo:

1. Procure o programa organizado de coleta de seu município ou uma instituição, entidade assistencial ou catador que colete o material separadamente. Veja primeiro o que a instituição recebe. Não adianta separar, por exemplo: plástico, se a entidade só recebe papel.

2. Para uma coleta de maneira ideal, separe os resíduos em não-recicláveis e recicláveis e dentro dos recicláveis separe papel, metal, vidro e plástico.

3. Veja exemplo de materiais recicláveis:

- Papel: jornais, revistas, formulários contínuos, folhas de escritório, caixas, papelão, etc.

- Vidros: garrafas, copos, recipientes.

- Metal: latas de aço e de alumínio’, clipes, grampos de papel e de cabelo, papel alumínio.

- Plástico: garrafas de refrigerantes e água, copos, canos, embalagens de material de limpeza e de alimentos, sacos.





4. Escolha um local adequado para guardar os recipientes com os recicláveis até a hora da coleta. Antes de guardá-los, limpe-os para retirar os resíduos e deixe-os secar naturalmente. Para facilitar o armazenamento, você pode diminuir o volume das embalagens de plástico e alumínios amassando-as. As caixas devem ser guardadas desmontadas.
Atenção:
Os objetos reciclados não serão transformados nos mesmos produtos. Por exemplo, garrafas recicláveis não serão transformadas em outras garrafas, mas em outros materiais, como solados de sapato.

Reciclagem

Reciclagem é um conjunto de técnicas que tem por finalidade aproveitar os detritos e reutiliza-los no ciclo de produção de que saíram. E o resultado de uma série de atividades, pela qual materiais que se tornariam lixo, ou estão no lixo, são desviados, coletados, separados e processados para serem usados como matéria-prima na manufatura de novos produtos.
Reciclagem é um termo originalmente utilizado para indicar o reaproveitamento (ou a reutilização) de um polímero no mesmo processo em que, por alguma razão foi rejeitado.
Reciclar outro termo usado, é na verdade fazer a reciclagem.
O retorno da matéria-prima ao ciclo de produção é denominado reciclagem, embora o termo já venha sendo utilizado popularmente para designar o conjunto de operações envolvidas. O vocábulo surgiu na década de 1970, quando as preocupações ambientais passaram a ser tratadas com maior rigor, especialmente após o primeiro choque do petróleo, quando reciclar ganhou importância estratégica. As indústrias recicladoras são também chamadas secundárias, por processarem matéria-prima de recuperação. Na maior parte dos processos, o produto reciclado é completamente diferente do produto inicial.